Eucaristia e Silêncio

EUCARISTIA E SILÊNCIO

Na antiga instrução católica distinguiam-se três liturgias: a do céu, a do altar e, entre as duas, a do coração. A liturgia, na sua plenitude, deve tomar parte nestas três dimensões que se entrecruzam: os dois reinos separados pelo «vale da morte», e o mistério das profundezas da interioridade humana.

Quando falamos de silêncio na Eucaristia, falamos da «lei dos espaços brancos». Certo dia um grupo de estudantes rabinos discutia o sentido de um texto bíblico. Chamaram o mestre que lhes pediu para ver a página e lhes perguntou: «O que é que querem?». Eles responderam: «As palavras que nós estávamos a discutir.» «Essas marcas a negro sobre a página branca, retorquiu o velho rabino, contêm metade do sentido da passagem. A outra metade encontra-se nos espaços brancos entre as palavras.» É a margem de silêncio que envolve cada página. É também a pausa necessária entre cada respiração, a imobilidade entre os pensamentos, o repouso entre os períodos de actividade.

Os ensinamentos recentes do papa que realçam a importância de restaurar a experiência do silêncio na liturgia do altar, chamam-nos a atenção para o respeito por esta lei universal. Ajudam-nos igualmente a reencontrar a plenitude do culto litúrgico nas suas três dimensões distintas mas sobrepostas: a terra, o céu e o coração. Trata-se de uma necessidade, uma vez que para um número crescente de contemporâneos nossos, a Eucaristia é um rito que desde há muito e pouco a pouco se vai esvaziando do seu sentido. Há os que nunca experimentaram nem inspiração nem consolação. Para esses, não se trata de modo nenhum dum rito sacramental comunitário que dá sentido à existência. A afirmação do sentido transcendente da vida humana escapa-lhes totalmente, mesmo no que ela tem de mais terreno e mortal. Não há qualquer ligação com o sentido que podem ter as alegrias, as dores, as esperanças e as decepções da existência. Não é um alimento para o trabalho quotidiano. Para muitos, a missa é algo de estranho e pouco acolhedor. Ora, nesta hora da nova evangelização, deveríamos lembrar-nos do poder que a liturgia tem de transmitir o Evangelho aos não crentes. Quando assistem ao funeral de um colega de trabalho ou à missa da cerimónia de casamento de um amigo, a maneira como a Eucaristia é celebrada pode transmitir alguma coisa que os surpreenda e que nunca mais esquecerão. Pode oferecer-lhes um rosto do cristianismo de que nunca antes se tinham apercebido e levá-los a reconhecer o que até então tinham ignorado.

Depois há também aqueles que já haviam sentido anteriormente o mistério e a mística da Eucaristia antes de perderem contacto com ela. Assim que a sua vida espiritual amadureceu, partiram em busca da interioridade exprimida na Eucaristia – essa graça interior de que ela é um sinal exterior – e sentiram que não a podiam encontrar na Igreja. Para estas pessoas, a descoberta de uma via de oração contemplativa pode voltar a ligá-las à sensibilidade sacramental perdida e trazê-las de volta à Igreja. Há também aqueles que mantêm uma prática regular do culto eucarístico, muitas vezes por causa dos filhos, outras com a finalidade de conservar um laço com o universo da espiritualidade; mas, lamentavelmente, consideram que esta não os preenche através do culto dominical. E, finalmente, há aqueles que apesar de todas as suas imperfeições pessoais e eclesiásticas, têm a graça de ver a eficácia misteriosa e mística da Eucaristia quaisquer que sejam os lugares e circunstâncias da sua celebração.

Para todas estas categorias de pessoas, o silêncio como dimensão da Eucaristia é uma coisa preciosa e necessária. Antes de avançar mais neste tema aparentemente inexistente e abstracto do silêncio, gostaria de apresentar um testemunho que foi dado recentemente num retiro em Sidney. O assistente pastoral duma paróquia da Nova Gália do Sul (Austrália) contou-me que o padre local pôs em prática as recomendações de João Paulo II, sublinhadas nas «linhas gerais» da nova edição da Apresentação Geral do Missal Romano. Este padre introduziu o silêncio litúrgico no culto paroquial. Não foi o facto em si que me surpreendeu mas a sua força: foram criados tempos de silêncio depois das leituras, cinco minutos depois da homilia e quinze minutos depois da comunhão. Inquiri como tinham reagido os paroquianos e informaram-me que não só ninguém se tinha ido embora, como muitos tinham mostrado a sua concordância. Todavia, não gostaria de reduzir esta questão a um número de minutos de silêncio – verão por que razão.

Há diversas formas de celebrar a Eucaristia, e nesta área, a livre escolha do celebrante é primordial . A frase «agora podemos fazer silêncio durante um certo tempo» tem de ser interpretada. Julgo que é importante realçar que uma assembleia dominical normal pode ser iniciada neste tipo de silêncio e apreciá-lo. Alguns ficarão surpreendidos com o facto das crianças reagirem bem à meditação – tempos de oração silenciosa, sem palavras nem imagens. Não só a praticam como a apreciam e solicitam. Falar de Eucaristia e de silêncio, trata-se de facto de abordar o assunto da dimensão contemplativa da fé, como lectio, culto de toda a vida. Como lembra João Paulo II nas Sugestões e propostas para o ano da Eucaristia «devemos passar da experiência litúrgica do silêncio à espiritualidade do silêncio, à dimensão contemplativa da vida». Por outras palavras, e como era bem compreendido pela igreja primitiva, «assim como oras, assim vives». Nos dias de hoje as pessoas, mais do que nunca, buscam a dimensão contemplativa, e quando vêm à igreja para celebrar a Eucaristia, esperam encontrá-la e com razão.

«Nada se assemelha mais a Deus do que o silêncio», dizia Mestre Eckhart, e Madre Teresa, que insistia na importância capital de duas horas de oração silenciosa na vida das suas irmãs apostólicas; declarava que para ela «o silêncio, é Deus que nos fala». Todas estas palavras ilustram uma maneira de compreender o silêncio. Porque é que Deus se assemelha tanto ao silêncio? Eckhart não refere que Deus ama o silêncio ou aqueles que o adoram em silêncio mas que Deus é semelhante ao silêncio. São Bento utiliza duas palavras que nós traduzimos por silêncio: quies e silentium. A quies é o silêncio físico, a ausência de barulho – não bater com as portas, não arrastar as cadeiras, não tossir nem amachucar papeis de rebuçados. É o silêncio que é suposto os bons pais ensinarem aos filhos: discrição e modéstia materiais em que se respeita a presença do outro. A quies torna o mundo habitável e civilizado. Faz infelizmente muitas vezes falta na cultura urbana moderna em que o barulho invade até os elevadores e onde é raro, tanto no tempo como no espaço, podermo-nos encontrar fora do alcance de barulho de origem humana. Até já se vendem capacetes dispendiosos, especialmente concebidos, não para escutar música, mas para nos isolar de barulhos exteriores.

O silentium, pelo contrário, não designa uma ausência de barulho mas um estado de espírito e uma atitude consciente da presença dos outros e de Deus. É atenção. Quando uma pessoa se dirige a um padre ou conselheiro para lhe falar de um problema ou de um desgosto, o padre sabe que acima de tudo o que lhe deve dar é atenção. Pode dar-se o caso do seu problema não ter solução e, na maior parte das vezes, as palavras que se espera que tenham alguma utilidade passam ao lado da dor. Escutar com atenção, dar-se a si mesmo, totalmente, no acto de prestar atenção , não se trata de julgar, colocar-se no lugar do outro ou condenar, mas amar. De facto, deste ponto de vista, nada se assemelha mais a Deus do que o silêncio, porque Deus é amor.

Mais tarde examinaremos o sentido do sacrifício da Eucaristia e como este se revela no silêncio. Para já, gostaria de relacionar o acto de atenção com o dom de si. Alguns filósofos deram pouco espaço ao valor do homem, se bem que tenham chegado à conclusão que o acto humano por excelência, o que dá valor e sentido à vida é o dom de si. Interrogam-se, no entanto, sobre a sua existência real. Dar-se a si mesmo, de uma maneira geral, implica uma condição ou uma exigência. Nós buscamos o reconhecimento, uma recompensa, gratidão ou algum benefício. A pureza do dom de si está à partida comprometida. Para os cristãos, a Encarnação é o dom de si divino; a vida, a morte e a ressurreição de Jesus são este dom divino manifestado na sua humanidade. Um dom de si perfeito confere àquele que o recebe, não o peso de uma dívida, mas a capacidade de se dar por sua vez. É este o ensinamento da Eucaristia, que ela renova e alimenta. Todo o dom de si – mesmo imperfeito – impõe o silêncio por respeito e reverência. Assim, o silêncio é tantas vezes necessário na Eucaristia para se poder apreciar o sacrifício perfeito do amor.

A liturgia, como forma de oração, é fundamentalmente atenção. Durante a Eucaristia, dirigimos a nossa atenção para Deus através do dom de si que Jesus realizou na história e realiza continuamente pelo Espírito, tanto nos nossos corações como no altar. Se bem que a nossa atenção possa vaguear, deter-se nos novos rostos da assembleia ou nas páginas do boletim paroquial, a atenção de Jesus por nós não esmorece nunca, e mesmo a nossa distracção não nos trás nem condenação, nem antipatia da sua parte. Ele permanece fiel apesar da nossa infidelidade, porque ele nunca se trai a si mesmo. É este, pelo menos para o crente, o mistério inefável da Eucaristia e a atracção doce e irresistível da sua Presença real.

O silêncio é um trabalho, o trabalho da atenção que ama, e o seu fruto é um coração cheio da acção da graça. Assim a concepção de silêncio de Mestre Eckhart aproxima-se da de Madre Teresa. O silêncio que se assemelha a Deus mais do que a qualquer outra coisa é também «Deus que nos fala». Se prestarmos atenção a Deus, não demoraremos a dar-nos conta que Deus nos presta atenção a nós. De facto, á a atenção que Deus nos dá que nos permite prestar-Lhe atenção. Para Cassiano que discutia com Agostinho sobre o livre arbítrio, é Deus quem acende a primeira centelha de boa vontade em nós. Mas de seguida somos nós quem tem um papel a desempenhar. «Nisto consiste o amor, diz São João: não que tenhamos amado Deus mas que Ele nos amou». Nós amamos porque Ele nos amou em primeiro lugar. Ao celebrar a Eucaristia, damos o primeiro passo de encontro à absorção da vida divina. Tal como no Filho Pródigo, assim que Deus nos vê regressar a casa, e muito antes de termos chegado, já Ele que se precipita ao nossos encontro para nos acolher e tomar nos seus braços. Este amor extraordinário que se coloca em perigo, vem do céu e experimenta-se no coração, deveria reflectir-se na hospitalidade eclesial do altar. No silêncio da Eucaristia, nós bebemos e entramos no silêncio do Pai de onde o Verbo brota da eternidade. No ícone da Trindade de Rublev, as três pessoas reúnem-se à volta de Eucaristia.

É o espírito quem opera esta extraordinária metamorfose. No celebrante, que representa Cristo sem se lhe substituir, a assembleia faz a experiência da fusão e reaparição das pessoas, o que faz da Eucaristia um antegozo da liturgia celeste. O celebrante torna-se um fluido ponto de convergência do fluxo de amor libertado e sustentado pelo sacramento. Cristo está no celebrante que representa o povo que é o seu Corpo e do qual o celebrante foi chamado a ser o pastor. A Eucaristia é o lugar de uma perda de si e de uma partilha e redescoberta do ser que liberta da prisão do ego individual. A sua alegria é esta, acarretando as consequências no modo como vivemos em sociedade. «Eu neles, e tu em mim, para que sejam verdadeiramente um». Ou como foi dito numa homilia de sábado santo. «Levanta-te e vamo-nos, porque tu estás em mim e eu estou em ti, nós formamos os dois uma pessoa única e indivisível.»

É esta a dimensão mística da Eucaristia que para muitos fiéis de domingo é o alimento essencial da semana e do seu trabalho quotidiano. Deve-se fazer tudo para que este momento raro e precioso seja vivido em plenitude. A maneira de celebrar a Eucaristia é primordial pelo tempo dispensado e pelo espaço criado, a fim de se manifestar o seu mistério íntimo. Segundo Ivan Illich, a Encarnação que «torna possível o desabrochar surpreendente e absolutamente novo do amor e do conhecimento» projecta também uma sombra: que consiste em institucionalizar a caridade e regular o Espírito. É um facto que ainda temos de nos desembaraçar de toda uma bagagem histórica resultante desta sombra e da complexidade do mistério eucarístico de um ponto de vista frio e legalista que insiste na obrigação de ir à missa em vez de realçar a graça e o privilégio de nela participar. Se a Eucaristia se torna uma obrigação, a sua essência mística fica oculta. Por conseguinte, os silêncios introduzidos na celebração correm o risco de não ser mais que pausas simbólicas. Como refere a constituição conciliar Sacrosanctum Concilium (11), a celebração da liturgia requer sobretudo que a simples observação das leis garantam a sua validade. Não podemos, no entanto, ir ao extremo inverso e impor silêncios obrigatórios. De qualquer maneira, é a qualidade do silêncio e não a sua duração que importa.

De um silêncio obrigatório não se pode esperar um efeito espiritual. Quando a Eucaristia está condicionada pelo legalismo e um controlo excessivo, silêncio e Eucaristia parecem incompatíveis. Tempos de silêncio ou períodos prolongados de silêncio poderão parecer irrealistas, pretensiosos e artificiais, ou uma carga imposta a uma assembleia que é já muito bom que venha, e que não perceberia porque a vão submeter a uma novidade que aumenta a hora passada na igreja. Os silêncios da Eucaristia devem provir da experiência da profundidade mística em que toda a assembleia está empenhada. No entanto, como toda a Eucaristia, os momentos de silêncios devem ser guiados pelo celebrante em colaboração com a equipa litúrgica. Na verdade, é nos seminários que a dimensão contemplativa da oração deve ser instruída se se quer dar aos futuros celebrantes o gosto pelo silêncio litúrgico.

Muitas vezes, os padres têm receio ou desconfiam dos silêncios no altar – tal como os jornalistas na rádio. Soube recentemente que o arcebispo da Igreja anglicana, Rowan Williams, tinha dado uma entrevista na BBC sobre controvérsias actuais dentro da Igreja. No final da emissão, o jornalista acrescentou uma questão imprevista sobre o Iraque e a legitimidade moral desta guerra. O arcebispo fez uma pausa de dezanove segundos, o que é uma eternidade na rádio. O jornalista rompeu o silêncio e fez notar que ele tinha ainda muito tempo para responder. Longe de se desculpar, o arcebispo replicou que se lhe faziam uma pergunta tão importante, ele devia ponderar a resposta e que um tema tão sensível merecia mais do que palavras claras e francas. Surpreendido e verdadeiramente impressionado, o jornalista quis conservar esta pausa na versão radiodifundida, mas o redactor chefe cortou-a. Durante a Eucaristia, o medo do silêncio afecta geralmente mais o celebrante que a assembleia. Terá ele medo de ao abrir os olhos após um longo silêncio, encontrar a igreja vazia? Será o medo de perder o controlo? O medo do silêncio é muitas vezes o medo da ausência, do vazio que nos aflige, «o terror crescente de não ter nada em que pensar». Ou será também que a nossa formação teológica e litúrgica não nos preparou para esta outra metade da Eucaristia, a metade mística, a dimensão apofática presente em todos os aspectos da vida espiritual?

O silêncio restaura e reconhece esta dimensão em falta, apofática e contemplativa. A Eucaristia não pode verdadeiramente constituir «a fonte e o ápice» da vida da Igreja se a celebração não exprimir este duplo mistério paradoxal catafático e apofático (do manifestado e do oculto) inerente a toda a vida cristã proveniente do facto da dualidade da natureza da pessoa única de Jesus. «Moisés penetrou nas densas trevas em que Deus se encontrava» mas também «Deus é luz e não existem trevas nele». A linguagem dos místicos exprime este paradoxo como o cânon da própria missa: as trevas luminosas do mistério divino, o silêncio onde o Verbo é proferido e desce na carne e na encarnação, a imobilidade no centro de toda a acção. O silêncio, em certo sentido, afirma o que Deus não é: é a voz apofática. Mas também afirma com vigor o que as nossas palavras dizem acerca de Deus. O silêncio dá frescura à linguagem, restaura a precisão e o seu significado, em particular no caso de textos muitas vezes citados e que nos são familiares. Sem silêncio, até as palavras sagradas podem tornar-se ruído e discurso frívolo. O silêncio na Eucaristia não nos ameaça com o vazio e não realça a ausência, mas revela a presença e convida a uma resposta.

Todos conhecemos já os momentos da Eucaristia em que os silêncios são particularmente apropriados e enriquecedores. Muitos celebrantes começam por fazer alguns instantes de silêncio na sacristia, na companhia dos leitores e dos acólitos, antes de sair em procissão. De cada vez que o celebrante convida a comunidade a rezar com estas palavras «Oremos ao Senhor», requer-se um momento de silêncio antes que as palavras da colecta «acolham» as preces não expressas de toda a assembleia. Em seguida, o rito penitencial convida os fiéis a uma reflexão íntima a fim de se preparem para viver a Eucaristia como uma celebração de cura e de perdão das suas vidas imperfeitas. Os leitores, em particular, fazem momentos de pausa antes do salmo responsorial e da aclamação antes do Evangelho. Quando o silêncio é observado durante a liturgia da Palavra, também aí é encorajador um breve comentário sobre uma passagem obscura ou difícil que de outro modo teria escapado às faculdades cognitivas da assembleia e até do celebrante. «Não é suficiente que as passagens bíblicas sejam proclamadas numa linguagem compreensível, se a proclamação não for feita com cuidado, com preparação prévia, numa escuta recolhida, num silêncio meditativo, meios necessários para que a Palavra de Deus toque a vida e a ilumine.» (Mane Nobiscum Domine).

Os pregadores católicos estão geralmente preocupados em não alongar as homilias, contrariamente aos pastores protestantes cujo público espera com agrado que estas sejam longas e ditas com paixão. O estilo mais moderado da maioria das homilias católicas é até mais propício ao tempo de reflexão silenciosa que se lhe segue. Testemunha respeito para com a assembleia de onde se presume uma escuta inteligente e o desejo de um tempo de reflexão mesmo que esta não tenha sido autorizada a reagir. A Apresentação Geral não aconselha que haja um tempo de silêncio durante ou no fim da oração universal se bem que se faça muitas vezes: «oremos agora alguns instantes no silêncio dos nossos corações». A assembleia em cujo nome se acabaram de dizer as intenções de oração pode então acrescentar as sua próprias orações silenciosas, de maneira que o padre possa concluir com uma frase como esta:«Senhor, Tu sabes o que nos faz falta antes mesmo de o pedirmos, assim colocamos perante Ti todas as nossas orações, expressas ou não». «Todas as formas de oração, afirma João Paulo II, se elevam dos alicerces do silêncio.»

O partir do pão, a fracção da hóstia, é um momento místico profundamente sagrado e é normal que seja acompanhado de silêncio. Mas, claro está que o momento de silêncio mais essencial e mais significativo é o que vem a seguir à comunhão. Se a Eucaristia no seu conjunto é o culmen et fons da Igreja, então este instante é certamente o epicentro místico. No entanto, passamos muitas vezes por cima sem outra pausa a não ser os intervalos entre os cânticos ou o tempo necessário à purificação dos vasos sagrados. Trata-se do momento em que o celebrante começa a temer reter demasiado tempo os fiéis, quando as crianças começam a agitar-se e os outros fiéis se começam a juntar no exterior para a missa a seguir. É nesta altura que nos devemos lembrar acima de tudo que o silêncio não é apenas a ausência de ruído, mas o espírito de atenção que ama. Na nossa paróquia monacal dos arredores de Londres, já me aconteceu ficar sentado durante um longo momento de silêncio depois da comunhão da missa dominical, enquanto se ouvia um coro de bebés a chorar, crianças pequenas distraídas e inventores de máquinas de fazer barulho. Isto não afectou materialmente o silêncio. Os pais e os outros fiéis apreciaram-no, e muitas crianças, senão todas, sossegaram. E assim que terminou a oração depois da comunhão, reinou na assembleia um sentimento de repouso e de agradecimento e não de alívio por ter terminado. No início do silêncio, o celebrante tem de ser senhor da situação, e naturalmente preparar a assembleia. O que se exige é um verdadeiro tempo de silêncio e não uma pequena pausa. Se necessário, pode-se fixar uma duração que será marcada no início e no fim com um toque de gongo ou o som de uma campainha.

Uma vez enraizada a experiência do silêncio litúrgico numa comunidade, o seu efeito far-se-à igualmente sentir no local em que se reza. Richard Giles, o decano anglicano de Filadélfia, é um pioneiro em matéria de redefinição do espaço sagrado segundo os princípios tradicionais. No seu livro Repitching the Tent dá-nos uma visão estimulante do espaço físico da oração. Após ter escrito este livro, deu-se conta de que as formas de celebração eucarística são afectadas pelo espaço em que se desenrolam e a sua última obra Uncommon Worship é o complemento necessário da primeira.

O silêncio durante a Eucaristia não faz da liturgia uma cerimónia privada, como se podia recear, e acontece muitas vezes no rito trinitário. Os fiéis sentiam que se passava algo de sagrado e de muito misterioso, sem se sentirem pessoalmente implicados. Assim, faziam as suas orações ao mesmo tempo que o padre prosseguia no seu ofício. O silêncio enquanto experiência litúrgica, pelo contrário, aproxima os membros da comunidade e concentra a sua atenção de modo que, unidos em coração e espírito, possam escutar a Palavra e tomar parte no Mistério. Segundo Santo Inácio de Antioquia, se não somos capazes de compreender o silêncio de Cristo, não seremos também capazes de compreender as suas palavras. Só podemos entender o silêncio se nós próprios fizermos silêncio. Vivendo juntos o silêncio, fazemos a experiência de um silêncio que constrói a comunidade.

Para concluir, gostaria de relembrar as palavras de João Paulo II que atrás mencionei. Depois de ter sublinhado a importância do silêncio na Eucaristia, explica que não se trata de um silêncio artificial e autónomo:«Devemos passar da experiência litúrgica do silêncio, à dimensão contemplativa da vida». São Francisco encorajava os seus discípulos a pregar o Evangelho em todas as ocasiões e a todos os que encontrassem. Se for absolutamente necessário, acrescentava, façam-no com palavras. Parece-me que ele não pensava somente no silêncio mas no testemunho silencioso ou implícito da nossa vida.

É fundamental ligar a Eucaristia à nossa maneira de viver se queremos compreender ou experimentar o seu significado e o seu valor. Se fazemos da Eucaristia uma simples obrigação eclesiástica ou uma reunião simpática, não nos fará avançar para uma vida mais em conformidade com o evangelho. Se durante esta celebração, não nos reunirmos num nível profundo, o envio final «Ide em paz» não terá outro efeito a não ser reenviar cada um para casa no mesmo estado em que chegou. O silêncio permite que o sentido pleno da Eucaristia se manifeste na nossa vida, até níveis de eficácia sacramental transverbais mais profundos. Isto significa, que daqui em diante, sabemos que depois de termos partilhado simbolicamente os frutos da terra, estamos em estado de melhor servir o Reino de justiça na nossa vida e no nosso trabalho. Todos tomamos a mesma quantidade de pão e de vinho. Havia suficiente para todos – se o sacristão tiver feito bem o seu trabalho. Por conseguinte, se queremos que a nossa vida seja eucarística, não deveriamos trabalhar por uma repartição justa da riqueza, pela ajuda aos oprimidos e atenção aos marginais? O nível místico da Eucaristia tem implicações políticas imediatas. Thomas Becket e Óscar Romero não foram assassinados durante o silêncio da consagração?

O silêncio eucarístico faz-nos compreender igualmente o verdadeiro sentido da paz como fruto da não violência. Da mesma maneira, o silêncio não é a ausência de barulho, a paz não é uma suave retirada da agitação da praça pública. O sacrifício da missa relembra-nos tudo o que René Girard trouxe recentemente à luz respeitante ao vínculo entre a violência e o sagrado. Na Igreja romana primitiva anterior a Constantino, parece que muitos padres pagãos pediram o baptismo. Os pagãos não se consideravam como ministros de uma religião mas como funcionários que cumpriam, nos altares romanos, os sacrifícios prescritos segundo os ritos prescritos. Se, por algum descuido, se enganavam nas fórmulas que pronunciavam, deviam recomeçar desde o início. O importante era a oferenda sacrificial de sangue e a perfeita correcção de gestos e palavras.

Quanto aos cristãos, tinham compreendido que o sacrifício perfeito de Cristo celebrado na Eucaristia diferia totalmente dos ritos pagãos. A Eucaristia era o sacrifício de si mesmo no amor, o que punha fim ao sacrifício concebido como meio necessário para que Deus nos fosse favorável (o que na realidade equivalia a controlar a violência no seio da comunidade pela oferenda de bodes expiatórios). A cruz está representada sobre o altar da comunidade cristã e assinala o fim do ciclo da violência humana. «É a misericórdia que eu quero, não os sacrifícios», dizia o profeta Oseias citado por Jesus. Se nós celebramos a Eucaristia sem o silêncio exigido pelo respeito e pela revelação da sua profundidade mística, arriscamo-nos facilmente a fazer uma má interpretação teológica: a ver aí um rito sacrificial necessário para acalmar um Deus colérico. O silêncio na Eucaristia, compreendido de uma maneira espiritual e não legalista, manifesta a força do sacramento enquanto força de paz e de justiça. A paz não se obtém nunca pela violência. Em Deus não existe nem violência nem cólera.

O último ensinamento público de João Paulo II e a sua última bênção, realizados da janela do Vaticano, foram silenciosos. É significativo que nos ensinamentos do fim do seu pontificado, do mesmo modo que insistia no carácter sagrado da vida, no carácter inaceitável da pena de morte e da imoralidade da guerra no Iraque, ele sublinhava com energia o sentido místico da Eucaristia. Nas suas últimas reflexões e declarações é evidente a ligação entre contemplação e não violência. Não serão estes os dois pilares do ensinamento de Jesus e da mensagem eterna do seu Evangelho?

Assim, o silêncio na Eucaristia conduz-nos ao âmago da nossa fé e é um estímulo à evangelização contemporânea. Não se trata apenas do que se passa durante a missa, mas da expressão do que é real no coração do nosso ser, na nossa vida e no nosso trabalho quotidiano. É por esta razão, segundo me parece, que João Paulo II associava «a experiência litúrgica do silêncio» à renovação contemplativa da Igreja. Num mundo cada vez mais dividido e repleto de ruído e de stress, ela reconhecia a necessidade da Igreja ir ao mais profundo das tradições contemplativas e extrair o seu ensinamento das vias da oração contemplativa. «É vital redescobrir o valor do silêncio, dizia.» Seguia a visão de John Main, falecido em 1982, para quem a maior tarefa do homem moderno está em redescobrir o valor e o sentido do silêncio». Nos seus escritos sobre a Eucaristia, John Main também compreendeu a necessidade do homem moderno reencontrar a dimensão contemplativa da oração para poder viver os sacramentos na plenitude do seu significado.

As considerações de João Paulo II sobre o silêncio litúrgico estenderam-se à sua visão global da espiritualidade contemporânea. «Não é por acaso que mesmo fora do culto cristão se difundem práticas de meditação que atribuem importância ao recolhimento. Porque não lançar com audácia pedagógica uma educação específica sobre o silêncio no seio dos próprios parâmetros da experiência cristã?» (Spiritus et Sponsa).

O papa faz aqui referência à «formação na arte da oração» a que muitas vezes chamou os seus votos. O ensino da oração contemplativa a nível paroquial e diocesano é o corolário natural e sem dúvida inelutável do silêncio litúrgico. Assim comecemos por um dos lados: por um tempo de silêncio depois da comunhão, ou por grupos paroquiais de meditação. Sendo a Igreja um Corpo vivo animado de vida espiritual, os seus pastores não se deviam preocupar demasiado com a análise sistemática. Deveriam simplesmente orar e encorajar as pessoas a praticar uma oração cada vez mais profunda. Sem dúvida que na nossa época, é mais audacioso aplicar este preceito na educação religiosa e na formação espiritual das crianças e dos jovens. Esta «audácia pedagógica» está já em prática na diocese de Townsville, em Queensland (Austrália), e em inúmeras escolas e famílias católicas de todo o mundo, nas quais as crianças são iniciadas na prática da meditação cristã.

Um silêncio vivo depois das leituras, da homília e da comunhão despertará ou talvez até identifique a sede profunda que habita no coração da nossa Igreja e do mundo. Aprender a orar num nível contemplativo contribuirá para nos ensinar a viver melhor no Espírito, pois assim como oramos vivemos, e assim como oramos celebramos a Eucaristia. Esta sede de contemplação, é por conseguinte, a nossa maior esperança. “É vital redescobrir o valor do silêncio.”

Laurence Freeman OSB

Conferência proferida na Escola de Oração da Arquidiocese de Melbourne em 20 de Abril de 2005
Retirado do site da Comunidade Mundial para Meditação Cristã de Portugal.
Download do texto em formato DOC

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s