Temos que decidir pela paz

“À medida que relaxarmos e nos libertarmos das nossas tensões e em que já estivermos meditando por mais tempo, melhor perceberemos que a fonte de nossa calma recém-encontrada em nossa vida diária consiste exatamente na vida de Deus dentro de nós. O grau de paz que possuímos é diretamente proporcional à percepção desse fato vital, uma fato de consciência humana, comum a todo homem e a toda mulher no mundo. Para realizar, porém, esse fato como uma realidade presente em nossas vidas, temos de decidir que desejamos ficar em paz. Essa é a razão que leva o salmista a dizer ‘Tranquilizai-vos e reconhecei: Eu Sou Deus’ (Sl 46,11).

Essa profunda paz interior é, em certo sentido, mais livremente admissível para nós hoje do que para o poeta hebreu que escreveu este salmo, mesmo que os nossos problemas sejam maiores e nosso ritmo de vida mais acelerado do que o dele; e isso por causa do grande evento de Jesus.

A grande convicção do Novo Testamento é a de que Jesus, ao nos dar o seu Espírito, transformou dramaticamente a estrutura da consciência humana. Nossa redenção por Jesus Cristo abriu-nos níveis de consciência que só podem ser descritos por São Paulo em termos de uma criação totalmente nova.

A Palavra Que Leva Ao Silêncio,
John Main

Veja como você pode meditar, segundo a Tradição cristã do Deserto transmitida para o nosso tempo por John Main, no site Oficial da Comunidade Mundial Para Meditação Cristã: COMO MEDITAR

Um comentário sobre “Temos que decidir pela paz

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s