Presença

Quando por um instante o corpo e a mente repousam atentos em nada querer, tudo observar com distância, observa também que tão logo queira algo, o momento se perde. Não pelo querer em si, mas pelas forças que o ego projeta sobre esse querer buscando não apenas realizá-lo com liberdade desinteressada, mas com as ilusões de sucesso e fracasso pessoais, com a ambição de conseguir e assim afirmar tal poder, como se qualquer êxito fosse mérito humano. Quanto mais articulado for esse ego, menos se percebe a verdade de que nem a própria vida nos pertence. Talvez se perceba nocionalmente, mas não existencialmente, não se experimenta como verdade mas como condescendência do ego.

São Bento orienta “quem quer que seja” que se encontre com a Regra, a ter sempre a morte diante dos olhos, não para cultuá-la, mas exatamente para não cultuar as ilusões do mundo que a tornam uma inimiga. E em seu capítulo sobre a humildade deixa bem claro a importância de uma inversão de valores quanto ao orgulho e a humildade. Quando a mente repousa, percebe-se com humildade “que a vida não é sobre a gente, não se trata de mim, mas de Deus” – Joan D. Chittister (OSB). O centro da realidade não somos nós e o que queremos, mas Deus, e essa percepção experiencial, não meramente nocional, é que nos capacita à paz de Cristo, a mesma paz que nele estava e nos doou como dom: “Eu vos deixo a Paz, eu vos dou a minha Paz”. Paz que não depende de nada além de reconhecer que Deus é o centro, a realidade, e está disponível a nossa espera aqui e agora, onde quer que seja.

A oração é uma inserção de tudo o que somos, como nas palavras de São Paulo, “alma, corpo e espírito”, na Paz de Cristo. Mas talvez seja preciso entender que essa Paz não é, como disse Thomas Merton, meramente um gozo, um suavidade, mas antes, a consciência da presença de Deus em tudo e em todos.

Louvado seja Deus que nos deu em Jesus Cristo o modelo de vida que nos leva a tal consciência. Que todos os cristãos não desanimem em meio ao mundo hiper estimulado, hiperativo, hiper agendado, de caminhar segundo o ensinamento de Cristo, essencialmente contemplativo e desperto para a presença de Deus.

Um comentário sobre “Presença

  1. É difícil caminhar sem nada querer.O próprio artista anseia pelo Belo ,pela harmonia,pela ordem,virtudes que o mesmo Senhor inspira;;.
    Sei que é de máxima importância querer acima de tudo permanecer nesta
    consciência da presença de Deus e evitar o que de antemão possa gerar conflito ou maior dispersão
    Mas o Espírito Santo pode me conduzir a querer por exemplo que eu vá
    ao Shalom para encontrar-me com a comunidade e fazer adoração ou em outro momento que preciso caminhar em meio a Natureza porque sem eu mesma avaliar meu corpo está precisando de um ar mais puro e maior solidão para meditar e restaurar algo físico.e,também alí adoro o Senhor.Procuro perceber o quanto estes apelos tem de verdadeiro;
    Não estou contestando nada,o texto é profundo e completo,apenas coloco uma reflexão minha..Obrigada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s