Escuta

“Toda a nossa geração se tornou surda. A Sagrada Escritura, a sabedoria, as relações e a experiência pessoal estão sendo ignoradas. Somos em consequência uma geração de quatro guerras e das mais poderosas armas jamais fabricadas na história do mundo – num período denominado pacífico. Somos uma geração de grande pobreza em meio a grandes riquezas, de grande solidão em meio a grandes comunidades, de graves colapsos pessoais e deterioração comunitária ante um crescimento social sem precedentes, de grande tédio espiritual em meios às nossas grandes proclamações de que somos um país temente a Deus.

No meio de toda essa cacofonia ensurdecedora da vida, o campanário de todos os mosteiros beneditinos repicam: Escuta! Escuta com o coração de Cristo. Escuta com o ouvido de quem ama. Escuta a voz de Deus. Escuta em teu próprio coração o som da verdade. Talvez o problema resida no fato de nem sequer sabermos – pelo menos a maioria de nós – o que significa escutar. No entanto a Regra no-lo diz com limpidez.

Em primeiro lugar, Bento estabelece um requisito: tudo deve ser feito com conselho. A espiritualidade beneditina não tem lugar para a arrogância elevada ao nível de inspiração. Para cultivar a espiritualidade monástica devemos buscar conselho, ouvir recomendações, escutar as opiniões de outras pessoas sobre assuntos que nos são caros. (…) A impulsividade torna-se suspeita mesmo quando acontece ser correta uma decisão impulsiva. Por que? Porque a verdade é um mosaico da face de Deus. Porque a voz de Deus vem muitas vezes de onde menos esperávamos, como por exemplo, de uma sarça ardente (…) Em segundo lugar, ensina Bento, a vida é um processo de aprendizado. A cultura ocidental com seu ênfase nos graus acadêmicos, contudo, quase sufocou essa verdade. Tornamos as palavras “graduação” e “educação” quase sinônimos. Avaliamos o resultado por créditos acadêmicos. Descartamos a experiência, a profundidade e o fracasso . Acreditamos  em ações, resultados, produtos, lucros e juventude e assim chegamos a considerar os mais velhos como essencialmente inúteis.  Porém , no fim, todas essas espécies de realização nada mais são do que um deserto espiritual, se ao longo da caminhada não nos dedicarmos a descobrir a verdade, a cultivar a beleza e a reconhecer os verdadeiros ensinamentos da vida (…)

Todavia, se eu me tornei meu próprio mensageiro, não há nada mais a ouvir. Nenhum modo de crescer. Nenhuma chance de mudar. Nada além do eco da minha própria voz (…) Não mais espero por aquele dia em que, de algum modo terei acumulado escuta suficiente para não precisar mais questionar as práticas piedosas que podem ser aprendidas facilmente.

Narra uma antiga história:

Era uma vez um discípulo que tinha ouvido falar sobre o Fruto do Céu e o cobiçava. Então , ele perguntou ao Mestre: “Como posso achar tal fruto e assim conseguir logo o conhecimento?”. Disse o Mestre: Aconselho-te a estudares comigo. Se não fizeres assim, terás de viajar decidida e incansavelmente através do mundo. Mas o monge pensou: Certamente haverá uma maneira mais eficiente do que essa. Por isso deixou o mestre e procurou outro, depois outros, ainda outro e muitos outros. O discípulo passou trinta anos procurando. Finalmente chegou a um Jardim. No meio dele estava a Árvore do Céu e dos seus galhos pendiam os brilhantes Frutos do Céu. E lá, de pé, ao lado da Árvore, estava o primeiro Mestre. “Porque não me disse, quando nos encontramos pela primeira vez, que era você mesmo o Guarda do Fruto do Céu?” – Perguntou.

Respondeu o Mestre: “Porque não teria acreditado em mim. E além disso, esta Árvore só dá frutos uma vez a cada trinta anos e trinta dias” 

Não existe maneira rápida e fácil de transformar a vida que levamos em divina. São necessários anos de leitura das Escrituras, anos de escuta a tudo da vida, anos de aprendizado para escutar através do filtro do que lemos. Uma geração de tortas rápidas, cafés instantâneos, refeições prontas para consumir diante da Tv, calculadoras e cópias xerox não está preparado para a tarefa lenta e tediosa de escutar e aprender sempre de novo, dia a dia, até que finalmente possamos escutar as pessoas que amamos e possamos amar as pessoas que nos desagradam e crescer para entender como a santidade se encontra aqui e agora, para nós. Mas, algum dia, quiça em trinta anos, teremos escutado o suficiente para sermos capazes de levantar a conlheira resultante de anos de conhecimento de Cristo no tempo, ou pelo menos, nas palavras da Regra de Bento, para ter um bom inicio. Até então os sinos do mosteiro continuarão a tocar, pacientemente, para nos lembrar que devemos escutar. Apenas escutar. Continuar escutando.”

Sabedoria Que Brota do Cotidiano , Joan D. Chittister (OSB)

 

Um comentário sobre “Escuta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s